"A minha intimidade? Ela é a máquina de escrever. " Clarice Lispector

"A minha intimidade? Ela é a máquina de escrever. " Clarice Lispector

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Ensaio sobre o amor nos tempos de propriedade privada

Fico pensando... Quais espíritos a gente alimenta? Quais amores a gente aumenta? Quais saudades são impossíveis de se distrair? Quais livros nos chamam a atenção na livraria, na biblioteca...? É o amor e o que amamos que nos caracteriza nesta vida. Nosso espirito é tão livre e abissal que temos, por vezes, que contorná-lo de algumas indicações e contra-indicações.

Um velho, uma vez, me disse: Padece o que tiver de padecer por amor, mas jamais deixe de amar. 

Meu camarada, e tem como? Não amar? Como é isso?

Minha filha, vocês jovens, tatuam o amor nas costas, escrevem cartas derramando corações, vocês são só o engodo! O amor é tão maior que tudo isso que essa minha barba de 40 anos de contra-cultura “arrepeia” e ora interroga: quem vocês amam e por quê?

Pense menina, no afeto, que se desdobra. O afeto é a dobradiça da porta, ele a movimenta, abre, fecha. Se não houver a dobradiça, não há porta. Mas há quem encha esta porta de trancas, cadeados, placas de perigo. Portas não foram feitas para fechar, foram feitas para abrir.

_Creio estar equivocado, senhor... As portas sinalizam que há algo de particular sendo guardado, um território, com donos. As portas não podem abrir para quem quiser, minha portas eu não abro a qualquer um.

Foi imputado a vocês jovens um grande mal. O de que o amor é uma propriedade privada. O que há na privada, a não ser merda? 

Brinco, mas se não é capaz de ver para além dos muros da sua casa, minha cara... Se ama o que soa belo apenas, não traz a consciência do que é mesmo fonte de vida. Quando pergunto a quem você ama não é retorica... Para quem você fecha sua porta? 

Eu não deixo minha porta aberta para todos, nem os programas do governo, que se diz democrático, fazem isso. (risos)

Todos é um conceito inatingível, que nos afasta do que há de mais próximo, pois parece impossível... Digo de manter sua porta entre aberta, capaz da ternura, capaz da febre juvenil de amar sem medida, mas, capaz também do amor a quem lhe fomenta um notável descrédito, a quem seria incapaz de um negócio com essa sua propriedade privada, até que não hajam propriedades privadas e nem portas e sejam livres os amores...

Eu acho mesmo, senhor que não sei o nome, acho que o amor sim é um conceito inatingível...

Você tem boas capacidades de amor, mas você está muito patológica, menina. Veja bem, o amor tornou-se propriedade privada. Segue, derrubando-a. O amor não precisa de cercas. Por muito tempo eu lutei contra o sistema político que nos outorga o direito ao ‘ter, mantendo o ter’. Hoje vejo que ter é sim preciso, mantendo, sobretudo, o ser... Não vejo como vãs as lutas materiais. São propícias nos tempos propícios. Mas não só de pão vive o homem disse um sábio... Esfacelar a propriedade privada começa em nós. Amamos de forma desigual e pleiteamos direitos à igualdade... Se o amor começa em nós, porque tantas lutas para galgar mais e mais fora de nós? As pessoas se fizeram escravas da propriedade privada, do amor aos seus, apenas... O trabalho é a grande crucifixão dos nossos tempos, mas, sem qualquer apelo a uma salvação, é demasiado pena... Pena de morte... Repara nos seus rins, eles vão te matar... Mas você, só se preocupa com ganhos, com o olhar do outro, porque nesta sociedade de privadas, não basta tê-las, é preciso que sejam banhadas a ouro, para sei lá, as fezes boiarem mais bonitas, por certo...

O amor começa no cuidado! Cuida assim, de si. Pare de se matar. Isso é urgente! Os alicerces da sua propriedade ficarão, você não. Esse cuidado com você é o primeiro passo para cuidar de qualquer coisa que tenha vida. Respira melhor os teus ares. 

As pessoas temem parar, parar nos tempos atuais é algo melindroso, é perder tempo, e tempo é... Prefiro não dizer. Eis uma crença de grande bestialidade social a nós imputada. Pare, se aquiete, não confunda lugar ao sol com morrer chamuscado. Apreende o amor querida, que está no cuidado. Não jogue seu amor na privada. Se egoísta o for, já não é amor... Cuide das dobradiças que ainda existem, desses afetos inveterados que travam suas portas.

Há em extensas crenças a máxima de que o amor no seu afã se concede no paraíso, no Reino do céus. Cuide do seu céu, que não está na metáfora do horizonte ou do amanhã. Este amanhece com você a cada dia. Seu ser é seu céu. Cuide dele e faça deste um lugar de cuidado, pois então nem portas terá, mas portal, sempre aberto e capaz de receber e dar amor indistintamente. 



(Raquel Amarante - 20/07/2014)

All you need is love -  The Beatles

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Luís Gustavo

Luís Gustavo.
Maconheiro
Ninfomaníaco
Geminiano
com seus alelos de gene recessivo
na pigmentação.
Cultuava o Sabbath Negro
e um olhar hipnótico.
Pensador desde o colegial
- debates, embates, pontos de vista. -
Um cara a frente de qualquer tempo...
Que cultivava o deletério do seu ano serpente.
Gusta conheceu Joana.
Joana,
faz uso do chá ayahuasca.
Abençoada pela cruz caravaca
apadrinhada pelo Mestre Irineu
morena bela
de peitos fartos
boa de cama
coração bom.
Tiveram Nina
menina de olhar profundo...
Nina é cara de Gustavo.
Nina era tudo que Gustavo precisava.
Gustavo encontrou no amor
o Eu Superior que ele procurava.
Gustavo não terminou sua narrativa neste fragmento não
Gustavo tem muita história pra contar e pra viver
os dentes permanentes de Nina acabaram de nascer.

(Raquel Amarante)




segunda-feira, 23 de junho de 2014

Lembra


lembra
dos sonhos imperfeitos
que a gente traçou
para galgar uma atenção
copiosamente hipócrita.

lembra
das juras que a gente fez de amor
eu com meus sete receios
pois já sabia que daria em erro.
Mas mesmo assim eu fiz
no afã do sentimento,
do desejo.
porque sou toda isso mesmo...

lembra
do quanto que te amei
dos micos que paguei
na ébria adolescência sem éter
porque erámos aqui-agora por inteiro.
Hoje não.

lembra
das cartas...
as tenho até hoje
e não sei o que faço com elas
porque não sou a mesma canceriana,
aquela...
Que guardava papéis de bala icekiss
que via o amor como um chão de giz...


(Raquel Amarante - 2012-2014)










Parêntese que não se fecha

(Você
no meu parêntese.
Abri uma brecha.
se eu quis te prender
me convenci
(Você
é parêntese que não se fecha.

(Raquel Amarante)


segunda-feira, 16 de junho de 2014

Mistério

Mistério
do grego,
mystérion.

do verbo
calar.

no sentido
do segredo.


Olha pro céu...

o noturno céu
onde se pôs o sol.

repara no mistério
incessante...
profundo...

coisa maior
não há no mundo...


Eu sei
que o meu querer saber
é do tamanho do céu.
Nem menor, nem maior.

e se me calo
eu sou o mesmo mistério das estrelas
travestido de criatura.

eu tenho o oculto da noite nos olhos
a sensível noção de tempo lunar
o silêncio alentador e a solidão do infinito
eu sou um universo inteiro de poesia
incompreensível a olho nú.


nem a melhor luneta
nem o melhor divã

nem o mais longínquo olhar
nem as mais demasiadas palavras

poderiam mensurar
a extensão da existência
e seu mistério.


(Raquel Amarante)






Canções do Varal

Seguidores

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...